Reforma da Previdência

O congresso aprova a reforma da previdência trazendo regras mais duras para aposentadoria de todos os brasileiros, com exceção de trabalhadores rurais, pescadores artesanais, policiais, bombeiros e militares.

Futuramente todos os brasileiros só alcançarão a aposentadoria a partir dos 65 anos se homem e 62 anos se mulher.

Mas por alguns anos vão vigorar as regras de transição a que milhões de brasileiros poderão se enquadrar, e nas quais as temerosas regras novas poderão ser contornadas.

Resumo básico para as mulheres nas novas regras

As regras de transição também são bem duras, mas “salvam” desta idade mínima, veja como fica:

Trabalhadoras do INSS e servidoras públicas:

Ter 30 anos de contribuição mais um dos seguintes requisitos:

  • 86 pontos (somando idade e tempo de contribuição)
  • OU
  • 56 anos de idade
  • OU
  • pedágio de 50% sobre o que faltar para atingir 30 anos de tempo na data da EC.

O Direito adquirido permite que todas as mulheres que tenham completado os requisitos para a aposentadoria antes da entrada em vigor da reforma da previdência tenham garantidos os direitos.

Resumo básico para as homens nas novas regras

Para os homens é um pouco mais complicado, tendo em vista que os requisitos são mais exigente, compare:

Trabalhadores INSS e servidores públicos:

Ter 35 anos de contribuição mais um dos seguintes requisitos:

  • 96 pontos (somando idade e tempo de contribuição)
  • ou
  • 61 anos de idade
  • ou
  • pedágio de 50% sobre o que faltar para atingir 35 anos de tempo na data da EC.

O Direito adquirido também é assegurado para os homens e permite que todos que tenham preenchido os requisitos para a aposentadoria antes da entrada em vigor da reforma da previdência tenham garantidos os direitos.

Aposentadoria Especial aos Trabalhadores e servidores públicos que estão submetidos à condições nocivas à saúde (insalubridade e periculosidade*) com as regras da reforma da previdência

De grande importância nesta reforma foi a concretização do direito dos servidores públicos à Aposentadoria Especial, onde se enquadram uma massa de profissionais da área da saúde que tinham que lutar na justiça sem muita certeza que iriam ganhar o benefício.

Agora, este direito foi garantido.

Na aposentadoria especial, as regras são iguais para homens e mulheres, e são as seguintes:

1ª opção: Se completar os 25 anos de atividade especial antes da promulgação da Emenda Constitucional, tem direito sem precisar comprovar mais nada, com 100% da média no salário do benefício.

2ª opção: Se completar 25 anos de atividade especial depois da EC, então os trabalhadores e servidores públicos terão que preencher mais um requisitos, o da pontuação, que será de 86 pontos.

Neste requisito cada ano vale 1 ponto, contado em dias, e poderá contar idade e tempo de contribuição.

O tempo de contribuição na formação dos pontos é o normal, e poderá ser computado tudo que o segurado ou servidor puderem contar, inclusive é possível converter o tempo especial ganhando mais pontos.

Veja a lista de algumas possibilidades de soma de pontos que será possível fazer:

Existem alguns meios que você poderá lutar para melhorar a situação, entre eles:

  • Recolher tempo de autônomo ou empresário em aberto durante toda vida profissional
  • Conversão de tempo especial insalubre ou periculoso
  • Comprovar tempo rural ou de pesca com os pais
  • Tempo de serviço militar
  • Período como aluno aprendiz
  • Tempo trabalhado em país estrangeiro
  • Outras possibilidades específicas de algumas profissões, consulte.

A realidade é que ficará mais complexo obter a aposentadoria, mas será de grande valia se esforçar para alcançar estas regras de transição, não apenas para conseguir se aposentar mais cedo, mas também para ter um benefício com valor maior.

Situação dos servidores públicos municipais com a reforma da previdência

Os servidores públicos tem agora garantido o direito a aposentadoria especial, e como as regras gerais estão cruéis, é fundamental procurar viabilizar estas alternativas.

Para servidores municipais e estaduais as regras mínimas estão definidas, e serão iguais as regras dos servidores da união. Mas houveram mudanças importantes, especialmente para os municipários que não possuem RPPS.

Agora o servidor que se aposentar utilizando o tempo de contribuição do cargo atual, será obrigado a se exonerar, sendo vedada a permanência no cargo ou a reintegração.

Para o futuro, a reforma prevê que os municípios e estados criem regimes próprios complementares em até 2 anos. Assim, todos os servidores que recebam acima do teto do INSS, que em 2019 é de R$ 5.839,45, contribuam em separado para este regime sobre o valor que ultrapassar e com isso tenham garantida a sua complementação.

Como fazer para alcançar o melhor benefício e decidir quando pedir a aposentadoria

Pela sistemática de cálculo que está sendo unificada com a reforma da previdência, e sendo pior para as novas regras, e ainda acabando com as chances de ter 100% da média salarial antes de completar 40 anos de contribuição podemos garantir uma verdade real:

“Quanto mais cedo você se aposentar, financeiramente mais vantajosa será a sua aposentadoria”

Sim, pois é a conclusão lógica que estas regras levam, pois se jogou para muito longe o “prêmio” de esperar para se aposentar, além de reduzir muito o valor da pensão que poderia se deixar para os dependentes em caso de óbito.

Além disso, para quem ganha acima de R$ 2000,00 a contribuição previdenciária irá aumentar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Open chat